ptenfrdeites

O Papel do Strength and Conditioning Specialist no Desporto

O Desporto é um espetáculo que desperta paixões, considerado uma arte e uma forma de cultura. O Desporto é influenciado pela sociedade e influencia a mesma. Nesta sociedade em que ser mais forte, chegar mais longe e mais alto está de tal forma exacerbado, as exigências físicas, psicológicas e sociais que se pede ao seu principal interveniente (o atleta) são enormes.

Para conseguir estar ao nível das exigências anteriormente referidas, o atleta necessita à sua volta de um conjunto alargado de profissionais capazes de o apoiar na sua mais ou menos curta carreira profissional. Entre eles surge aquele que é responsável pela potenciação da sua condição física e por tentar fazer com que ele se mantenha nesse nível elevado pelo maior período de tempo durante a sua carreira desportiva, o Strength and Conditioning Specialist (SCS).

O SCS é um profissional com conhecimentos superiores ao nível do desenvolvimento da condição física dos atletas e na prevenção e recuperação de lesões. Estes profissionais podem atuar quer em desportos individuais quer em desportos coletivos. Nestes últimos, podem trabalhar com a globalidade da equipa ou com cada atleta individualmente. A sua importância no contexto desportivo tem sido reconhecida principalmente em países como os EUA, Inglaterra e Austrália.

Para se conseguir que os atletas a manifestem, de forma adequada e nos momentos certos, primeiro tem-se de criar adaptações neuromusculares, tendinosas, articulares e de padrão de movimento que preparem o atleta para o treino necessário para desenvolver essa capacidade. Depois, é necessário o desenvolvimento das formas de manifestação de força que servem de base ao desenvolvimento e otimização da potência muscular. Por fim, é necessário desenvolver esta capacidade de modo a se conseguir uma transferência ótima para o gesto desportivo onde esta vai ser aplicada.

Uma vez que atua em contextos diversos no âmbito desportivo e não está confinado a uma modalidade desportiva específica, o SCS necessita de ter uma formação superior no mínimo, ao nível da licenciatura em Ciências do Desporto. Contudo, será necessária uma formação especializada e contínua extra para se tornar num verdadeiro SCS. Esta formação superior é necessária porque os SCS necessitam de competências na melhoria das capacidades físicas, principalmente da capacidade motora força e de todas as suas formas de manifestação, de prevenção e recuperação de lesões e de liderança. Desta forma terá de ter conhecimentos avançados de Anatomia, Fisiologia, Cinesiologia, Psicologia e Treino Desportivo, só conseguidos através de uma formação superior e contínua.

O desenvolvimento e a otimização da capacidade do sistema neuromuscular de gerar tensão (capacidade motora força) é o principal foco do SCS, pois, é através desse desenvolvimento e otimização que se consegue melhorar a forma de manifestação de força potência muscular, que tem um papel importantíssimo na maioria dos gestos desportivos que ditam o sucesso ou insucesso de um jogo ou competição. Ao olhar de um leigo, o desenvolvimento desta capacidade parece simples. Contudo, o número de variáveis que têm de ser manipuladas para ir de encontro aos princípios do treino desportivo, e desde logo respeitar o seu primeiro princípio, o da individualidade biológica, é de tal forma vasto que é necessário muito conhecimento e experiência para o conseguir fazer.

Para se conseguir que os atletas a manifestem, de forma adequada e nos momentos certos, primeiro tem-se de criar adaptações neuromusculares, tendinosas, articulares e de padrão de movimento que preparem o atleta para o treino necessário para desenvolver essa capacidade. Depois, é necessário o desenvolvimento das formas de manifestação de força que servem de base ao desenvolvimento e otimização da potência muscular. Por fim, é necessário desenvolver esta capacidade de modo a se conseguir uma transferência ótima para o gesto desportivo onde esta vai ser aplicada.

Mas, não só a potência muscular é necessária, em termos físicos, para o desenvolvimento da performance desportiva de um atleta. A velocidade, a mobilidade articular e a resistência cardiorrespiratória são igualmente necessárias. Estas têm sempre como base a capacidade do sistema neuromuscular de gerar tensão, dependendo o seu desenvolvimento da forma e timings da sua geração e da intensidade e duração da aplicação de uma resistência ao corpo do atleta. Só controlando de forma plena estas variáveis é que é possível dar uma base de suporte em termos físicos para que o atleta consiga desempenhar as suas tarefas técnico/táticas, exigidas pela sua modalidade desportiva.

Outra função importante do SCS é procurar prevenir e recuperar as lesões desportivas. O atleta na sua carreira desportiva tem um período de ascensão, um período de manutenção da sua performance e um período de decréscimo da mesma. Por muito que seja difícil esta última fase na carreira de um atleta, ela vai acontecer e de uma forma mais ou menos abruta de acordo como o atleta treine e se prepare nessa fase e durante as duas fases anteriores. Ou seja, dado que a carreira de um atleta vai sempre acabar, conseguir que este mantenha os seus níveis de performance ótimos quase até ao final da sua carreira será um dos papéis fundamentais do SCS.

A prática desportiva é potencialmente lesiva. As estruturas do nosso corpo não estão preparadas quer biologicamente quer estruturalmente para os níveis elevadíssimos de exigência física e mental requeridas aos atletas. No Desporto existem dois tipos de lesões, as traumáticas e as não traumáticas. As traumáticas são difíceis de prevenir pois não dependem só da condição física e psicológica do atleta, dependendo de um ou mais fatores externos. Por seu lado, as não traumáticas dependem essencialmente de um excesso ou inadequado uso das estruturas neuro-músculo-tendinosas. Assim, o papel de observar as particularidades de cada atleta e adequar o processo de treino (exercícios, resistência aplicada e duração de aplicação da mesma) às mesmas é da responsabilidade do SCS, tentando que o treino seja o menos lesivo possível e compensando os desequilíbrios provocados pelo treino específico da modalidade.

Para finalizar, e em termos de conclusão, o SCS tem um papel fundamental no Desporto. Quem comanda equipas desportivas e carreiras desportivas de atletas deve estar atento à necessidade de introduzir este profissional nas suas equipas técnicas, pois só têm a lucrar com isso. Devido à sua importância, dentro de uma equipa técnica o SCS deve ter em conta a necessidade da sua formação superior. O SCS pode atuar quer em contexto de equipa quer individualmente, no espaço físico do clube ou em contexto de personal training, nos ginásios e academias preparados para o efeito.