ptenfrdeites

Fitness da coluna? “A postura é a janela da sua coluna”

Estima-se que sete em cada dez portugueses sofrem ou já sofreram de dores nas costas, a causa mais frequente das visitas ao médico. Cerca de 85% de população mundial apresenta queixas de dores ligadas à coluna, pelo menos uma vez na vida.

Estas doenças representam mais de 50% das causas de incapacidade física em idade laboral e são uma das principais justificações para ausências no trabalho. Há quem diga, aliás, que são ossos do ofício ou doenças relacionadas com o trabalho mas a verdade é que qualquer pessoa pode vir a sofrer de lesões músculo-esqueléticas (designadas em seguida por MSDs).

No entanto, estes problemas podem e devem ser evitados. Comece logo por olhar para sua postura e é precisamente para corrigi-la e para ajudá-lo a adotar um conjunto de hábitos saudáveis, no trabalho, a dormir, a conduzir ou a caminhar e também, no ginásio. Avance, desde logo, com um exercício tão simples e que na cultura portuguesa é muitas vezes mal interpretado: “espreguiçar é feio”. Não, não é um sinal de má educação. Sim, faz muito bem à sua saúde. Espreguiçar é uma forma de alongar e preservar a flexibilidade. As pessoas precisam de ser educadas. Muitos simplesmente desconhecem ou foram desenvolvendo ao longo dos anos maus hábitos. Isto precisa de ser tratado, corrigido por nós e reforçado pela gestão.

INTERESSE DOS EMPREGADORES

Por parte das empresas que, atentas ao impacto que estas doenças têm na produtividade e no sucesso dos seus negócios, tem havido uma especial atenção para a saúde dos seus colaboradores. Há uma crescente noção de que sem prevenção os custos podem ser muito maiores. Contudo, há mais a ser feito. Hoje há uma maior inclinação para doenças do foro psicológico, como o estresse, ou patologias crónicas, como a diabetes, colesterol ou doenças cardíacas.

As MSDs custam mais à economia do que todas estas doenças crónicas juntas e o impacto é bem maior do que qualquer outra. No fundo, existe ainda pouca informação sobre os distúrbios músculo-esqueléticos e sobre o impacto dos mesmos nos custos que vão gerar nas organizações. Não é falta de cuidado, mas de conhecimento.

É, por isso, missão desta equipa ensinar exercícios que melhoram a postura, ajudam a respirar melhor e a ter mais energia. Exercícios tão simples que podem mesmo ser feitos nas secretárias, sentados ou em pé, em casa, no trabalho ou durante a condução. Para esse efeito, desenvolvemos uma variedade de exercícios para várias situações do quotidiano. São exercícios isométricos que irão transformar o seu posto de trabalho ou carro num ginásio.

FICAR SENTADO É TÃO PREJUDICIAL COMO FUMAR

Recorrendo a uma expressão frequentemente utilizada, “sentar é o novo fumar”. Isto significa que estar muito tempo sentado é a causa de muitas condições de saúde que não se limitam a dores lombares ou dores de cabeça. Perda de força muscular, má digestão, problemas respiratórios, obesidade e até mesmo diabetes são outros problemas agravados. Isto relaciona-se com o facto de a coluna estar no centro de tudo. É aqui que estão os nervos que controlam os músculos, órgãos, glândulas e articulações do corpo. Assim, adotar uma série de exercícios não é suficiente para amenizar os efeitos. Importa, em primeiro lugar, diminuir o período em que se permanece sentado.

EM QUE CONSISTEM AS SOLUÇÕES?

Como começar? Como é feito o diagnóstico, a primeira avaliação?

Tudo começa com um questionário que irá avaliar a percentagem de colaboradores com queixas de ordem músculo-esquelética. Os recursos humanos nem sempre sabem o quão alto é esta percentagem. Com um questionário anónimo, o colaborador sente-se mais à vontade para dizer a verdade. Posteriormente é analisado o local de trabalho em termos ergonómicos, analisando por exemplo a cadeira ou percebendo se existem técnicas de levantamento que podem ser prejudiciais. Em terceiro lugar, são realizadas palestras formativas sobre a postura, os exercícios e as estratégias que podem ser adotadas, tendo sempre como ponto central a correção postural.

Uma pessoa não precisa de viver com dor. A avaliação postural é semelhante a analisar os níveis de colesterol, de açúcar no sangue ou a pressão arterial. São indicadores de risco para a saúde, enfatizando que uma má postura é um sério risco para a saúde. Por muito que as empresas gastem fortunas em cadeiras ergonómicas, tudo é centrado na postura. Os nossos trabalhos de correção postural ajudam a repor a postura correta. Quando a pessoa volta para a sua secretária sente a necessidade de se sentar mais direito. Fica até desconfortável se ficar torto. O nosso trabalho é treinar os músculos para se adaptarem à posição nova. O nosso método consegue, deste modo, apresentar soluções para problemas que o próprio Sistema Nacional de Saúde não consegue dar resposta. Os nossos sistemas são tão eficazes que a pessoa nem precisa de sair da empresa. Além disso, perante grande parte destas situações os especialistas não conseguem resolver, adotando tratamentos que geralmente são superficiais ou químicos. Ir ao médico de família com queixas de dor músculo-esquelética é visto, para muitos, como uma perda de tempo. Daí que em muitos casos se consulte um especialista quando é demasiado tarde. As pessoas só levam o carro ao mecânico quando o motor gripa. Com a saúde é a mesma coisa. Quando se tem dores o problema já existe há muito tempo e só são procuradas soluções quando já não se consegue aguentar mais.

Os serviços tornam-se parte integrante da organização, fornecendo prevenção e manutenção durante o tempo em que o contrato está em vigor. A verdade é que as pessoas sentem-se melhor, com mais energia e têm uma maior qualidade de vida.